Pesquisar este blog

Carregando...

sábado, 4 de fevereiro de 2012

Itacuruçá e Muriqui - Cachoeiras e Praias (Mangaratiba)


Post dedicado aos Distritos de Itacuruçá e Vila Muriqui (cidade de Mangaratiba)


Itacuruçá e Muriqui
Trilhas simples - nível fácil

Obs: Perdão de antemão pela desconfiguração do layout e por poucas fotos e vídeos neste post. Tratou-se de uma caça extra, despreparada, estava sem pilhas reservas para minha câmera :)

Este post tem as seguintes seções:
1.Local
2.Atrações
3.Visão Geral do Local e Roteiro
4.Logística
5.Roteiro
5.1.Introdução
5.2.Visão Macro
5.3.Visão Detalhada
6.Desambiguação (de nomes)
7.Navegação
7.1Mapas
7.2.Distâncias
8.Dicas
9.Relatos, Fotos, Vídeos


Local 
Distritos de Itacuruçá e Muriqui (Mangaratiba , Rio de Janeiro)

Atrações


  • Ilha de Itacuruçá
  • Ilha de Jaguanum
  • Cachoeira de Muriqui e Itacuruçá (3)

Visão Geral
Itacuruçá e Muriqui são 2 distritos da cidade de Mangarita que fica na chamada "Costa Verde" ,
conhecida por suas ilhas próximas e algumas cachoeiras. São 2 distritos vizinhos um do outro.
Itacuruçá a 21km e Muriqui a 14km de distância de Mangaratiba. Existem ônibus que vão do Rio de Janeiro (capital) até Mangaratiba. Não sabemos se existem ônibus da capital direto para os
distritos (mas é possível que sim). Em Mangaratiba é possível pegar ônibus (atualmente a linha
chama-se Expresso e passa de 1 em 1h, (o horãrio não é muito fixo.. varia um pouco). Também há algumas vans que complementam o serviço. Esses ônibus e vans param em todos esses distritos, que ficam espalhados pela costa.


A ordem de distritos de Mangaratiba é a seguir (na ordem sentido Mangaratiba - Rio de janeiro)

-Conceição do Jacareí
-Serra do Piloto
-Ibicuí
-Mangaratiba
-Praia Grande
-Muriqui
-Itacuruçá
-Itaguaí

Em Mangaratiba, o único passeio oficial de barco é o ida até Ilha Grande. Outros passeios de barco de fácil acesso, apenas em seus distritos. Em Itacuruçá existem muitos passeios de barco, sendo um dos distritos mais explorados nesse setor.
Vê-se, rapidamente, que Mangaratiba e arredores é uma região com um grande potencial turístico mas logo percebe-se também que esse potencial é muito pouco aproveitado. A praia de Itacuruçá infelizmente não é um bom atrativo, sendo apenas uma ponte para bons passeios nas ilhas ao redor.

Muriqui é o distrito mais bem estruturado e com uma praia um pouco melhor (interessante). Mangaratiba, apesar de ser a cidade (distrito principal), também não oferece bons hoteis ou  pousadas e nem grandes atrativos ou comportes em suas praias. Ainda assim, é possível extrair algumas coisas legais dessa região.

Caso deseje conhecer as 3 cachoeiras (2 em Muriqui e 1 em Itacuruçá) , pode fazer o passeio em apenas 1 dia.


Logística
Iremos sugerir aqui um roteiro de 3 dias e descrevemos a logística que pode ser usada para esses 3 dias.


Chegue em Rio de Janeiro.
Rio de Janeiro - Itacuruçá:
A melhor pedida é ir de ônibus da capital até Itacuruçá. Atualmente a empresa que faz esse trajeto é a Expresso. Ela vai da capital até Mangaratiba, parando em vários distritos (como Itacuruçá e Muriqui). Não sabemos o preço, mas é algo como R$30,00. Ligue para informar-se.

A estrada é a Rio-Santos, asfaltado, sem vias duplas.
Itacuruçá - Cachoeiras em Itacuruçá - a pé (não é necessária nenhuma condução).
Itacuruçá - Muriqui
São apenas 7km de distância entre os 2 distritos. Mas recomendamos um ônibus ou Van, que partem do centro de Itacuruçá, por apenas R$3,50. O trajeto pode ser via Rio-Santos ou pela velha estrada, que passa por dentro (as vans pegam essa estrada em feriados ou em dias em que o trânsito está muito intenso na Rio-Santos).
Muriqui - Cachoeiras de Muriqui - a pé (não é necessária nenhuma condução).
Itacuruçá - Ilha de Itacuruçá (Praia Grande)
Na praia de Itacuruçá existem diversos táxis-boats (como são chamados) super acostumados a levar as pessoas (inclusive os nativos) para a Praia Grande por R$7,00 (apenas ida). Todos cobram o mesmo preço. Para confirmar o preço antes de abordar algum dono de taxi, pergunte no centro de informações quanto é o preço. A ida demora cerca de 10 minutos.
Itacuruçá - Ilha Jaguanum
Os mesmos taxi-boats que realizam o trajeto para Praia Grande realizam este trecho. Porém, nem todo dono de táxi faz esse trajeto e o preço também não é fixo. Nós conseguimos um que cobrou R$100,00 pelo passeio (eramos 4, ficou R$25,00 pra cada). Combine o preço e o dia da viagem antes de fazer o passeio. Como os taxi-boats andam devagar, a ida pode demorar de 30 a 40 minutos.

Resumo:
OrigemDestinoDistânciaTipo de TransportePreço (R$)Obs
Rio de JaneiroItacuruçá96kmônibus~R$30,00Empresa Expresso
ItacuruçáMuriqui7kmônibus/vanR$3,50Empresa Expresso (faz a ida e volta)
ItacuruçáPraia Grande (Ilha)2,5kmtaxi-boatR$7,00 (por pessoa)o preço é por pessoa
ItacuruçáIlha Jaguanum8kmtaxi-boat~R$100,00o preço é fixo, a combinar

Roteiro
Introdução

As Cachoeiras não são bons atrativos nessa região, talvez porque o governo esteja mais interessado em investir apenas nas ilhas. As cachoeiras estão em regiões com acesso mal tratado e ao redor de regiões muito humildes. Não recomendamos conhecer as cachoeiras de Itacuruçá. As de Muriqui recomendamos um pouco. Podemos talvez abrir exceção pra Cachoeira Véu da Noiva (nome mais citado - não sabemos se é o oficial) que é relativamente fácil de chegar e tem uma queda bonita.



Roteiro visão macro:
Dia 1
08:00 - 09:30 - Caminhada do povoado de Itacuruçá até Cachoeira Itinguçú II
09:30 - 10:00 - Parada em Itinguçú I
10:00 - 11:30 - Caminhada de volta, até ponto de ônibus em Itacuruçá
12:00 - 13:30 - Espera de ônibus + ônibus até Muriqui
13:30 - 14:30 - Almoço em Muriqui
14:30 - 15:30 - Caminhada até Cachoeira Véu da Noiva (poção)
15:30 - 16:00 - Parada em Cachoeira Véu das Noivas (melho cachoeira do passeio)
15:30 - 16:30 - Caminhada até Cachoeirinha II
16:30 - 16:45 - Parada em Cachoeirinha II
16:45 - 17:30 - Volta ao povoado de Muriqui
17:30 - 18:30 - Volta a Itacuruçá

Dia 2:
09:00 - 09:10 - Ida a Praia Grande (Ilha de Itacuruçá)
09:00 - 12:00 - Parada na Praia.
12:00 - 13:00 - almoço
13:00 - 15:00 - Pequena trilha na Praia Grande.
15:00 - 17:00 - Parada na Praia.
17:00 - 17:10 - Volta para Itacuruçá
13:00 - 13:30 - Praias da Ilha Jaguanum
13:30 - 17:00 - Estadias em algumas praias (ou na preferida) - a combinar com o Taxi-Boat
17:00 - 18:00 - Volta para Itacuruçá

Obs: Se preferir, pode fazer um roteiro alternativo, fazendo Praia Grande e Ilha Jaguanum em um dia só, já que Praia Grande é “caminho” para Jaguanum.

Dia 3
Ilha Jaguanum


Roteiro - visão detalhada


Dia 1 - 12,7km de trilha / caminhada / Preço R$7,00



Parte 1
Ponto Inicial: Centro de Itacuruçá
Ponto Final : Centro de Itacuruçá
Destinos: 2 Cachoeiras
Distância : 7,1 (ida + volta)
Visite primeiro a cachoeira de Itacuruçá que é menos conhecida. Para chegar lá, saia de Itacuruçá, passe pelo viaduto sobre a linha de trem até chegar na BR101, pegue em direção ao Rio de Janeiro, passando pelo trevo e ande mais 1,13km, já ficando a esquerda da rodovia.

Já será possível ver as cachoeiras da estrada.


Não se engane, a primeira cachoeira visível é a Cachoeira Itinguçu e ela não possui boas condições de visitação, devido aos nativos da região utilizarem essa cachoeira como arredores de macumba. Uma realidade triste!


Não acreditamos que você vá gastar mais de meia hora nesta cachoeira.


Saindo da cachoeira volte para o povoado de Itacuruçá pelo mesmo caminho e informe-se onde fica o ponto de ônibus do povoado (o povoado é pequeno, não tem como se perder).


Cidade Fantasma de Albanoel - Cachoeira Fantasma (?)

Albanoel foi um deputado que faleceu em 2004, na Rodovia Rio Santos, aí mesmo, ao lado dessas cachoeiras que estamos citando! Bem em frente a seu legado: A Cidade Albanoel. Devido a sua morte, a cidade virou fantasma, o que você pode conferir com seus próprios olhos.


Para chegar a cachoeira é preciso passar pelo grande pátio dessa cidade. Caso queira aventurar-se o caminho é esse aí, dentro da Cidade Fantasma =D


Itacuruçá - Muriqui (Traslado)

Para ir de Itacuruçá - Muriqui, pegue um ônibus (atualmente a empresa chama-se Expresso) ou uma Van. Os dois meios são legais e baratos (R$3,50). Não há taxis nestes povoados (apenas em Mangaratiba). Pode escolher ir a pé de uma para outra (7km separam estes 2 distritos). Mas a caminhada seria pela estrada ou acompanhando a linha do trem (não recomendamos, a menos que esteja pobre).

Parte 2
Ponto Inicial: Centro de Muriqui
Ponto Final : Centro de Muriqui
Destinos: 2 Cachoeiras
Distância : 5,67 (ida + ida cachoeira 2 +  volta)
Se você descer no centro de Muriqui, ainda assim as cachoeiras não ficam longe. Basta ir de volta para a Rio Santos (você pode pedir para o ônibus ja te deixar sobre ela - mas é interessante você ver a cidade, pra comer algo e saber onde vai pegar o ônibus de volta. O distrito é tranquilo e pequeno também.

No entorno da BR, existem muitas casas humildes.

A Cachoeira Véu das Noivas fica num dos extremos de Muriqui, sentido Angra dos Reis. Dirija-se até la, entrando no bairro Cachoeirinha. Você deve passar por várias casinhas até encontrar um poço pequeno, onde há casinhas e um bar bem simples no entorno.


A verdade é que o bairro é muito humilde, é uma mini favelinha sobre a cachoeira - só no Rio mesmo!


Tem que amar muito uma cachoeira pra ter vontade de adentrar o bairro procurá-la! Alem do mais, a maioria das pessoas chega ao poção e acha que a cahoeira é ali. Amando muito uma cachoeira, você pode encontrar a cachoeira de duas formas:

Subindo o leito do rio tranquilamente por cerca de mais 200metros , acima do poção ou pegando uma trilha a esquerda do poção, muito tranquila também, até se chegar a queda.


Essa é a melhor Cachoeira desse Circuito. Gaste mais tempo aqui.


Depois, volte por onde veio até a Rodovia Rio Santos e ande por ela no sentido Rio de Janeiro até o outro extremo de Muriqui.


A entrada para a segunda é um portão da Petrobrás (vocë vai passar a entrada para o Restaurante Mirante) . Suba essa estradinha abandonada e irá encontrar a cachoeira. (pra chegar ao topo dela, ao avista-la, desça uma pequena trilha a direita até encontrar o leito do rio).




Dia 2 e 3 - 1,3km de trilha / Preço : R$32,00 (condução)

Para as Ilhas e praias da Ilha não tem segredo. Pegue os taxi-boats e siga em direção a elas.

Praia Grande - em feriados costuma ficar muito cheia. Se quer mais tranquilidade vá em dias de semana. Na Praia Grande a pequena trilha fica a esquerda de quem está na ilha, olhando pro mar. Essa trilha leva até outras 2 pequenas praias do local.

Jaguanum - Formada por várias praias, são mais desertas ainda e com praias mais limpas, mas com menos estrutura. Você pode escolher uma delas ou visitar todas. A mais legal parece ser a Cruzeiro (maior delas). A mais famosa, no entanto é a Pitombeiras.
Praias da Ilha Jaguanum (que conhecemos - existem mais):

  • Cruzeiro
  • Pitombeiras
  • Calhaus
  • Estopa

Desambiguação
No passeio em Itacuruçá e Muriqui encontramos muita confusão no nome das praias e cachoeiras e aqui, prezamos por tentar diminuir essa confusão.
Cuidado pra não confundir!

  • Praia Grande que fica depois do distrito de Muriqui e Praia Grande na ilha de Itacuruçá.
  • A primeira cachoeira de Itacuruçá chama-se Itinguçú (alguns confundem a primeira com a segunda). Esse nome pode ser confirmado vendo-se a placa sobre a rodovia indicando o homônimo rio que a cachoeira forma.
  • Alguns chamaram a segunda cachoeira de Itacuruçá de Véu da Noiva e outros de Itinguçú. (Ninguem sabe o nome direito, dessa segunda).
  • Fiquei na dúvida se no caminho entre Itacuruçá e Itaguaí existem 2 ou 3 cachoeiras. A primeira com certeza é a Itinguçú, a segunda (do meio - se existir) fica próximo a Cidade Fantasma de Albanoel. A terceira (existe) fica no ponto marcado no mapa como Cachoeira Véu da Noiva.
  • Muitos chamaram a Cachoeira na saída de Muriqui, indo pro lado de Mangaratiba de Véu das Noivas, parece ser esse o seu nome oficial (nome muito citado). A cachoeira no extremo sentido rio, não sabemos o nome.
  • As Praias da ilha de Jaguanum também não obtiveram consenso. A única com conseso é a praia de Pitombeiras (que todos conhecem). As outras, ouvimos os mais variados nomes. Os nomes que citamos aqui são de acordo com o nativo dono do taxi-boat que nos levou. Confiamos na informação, não só por ele ser nativo, pois também porque mora na ilha! (em uma das praias).


Navegação
Mapa:
Visualizar Br.Rj.Itacuruçá + Muriqui em um mapa maior
Distâncias das trilhas / caminhadas


Origem
Destino
Distância (km)
Centro de Itacuruçá
Cachoeira Itinguçú
3,13
Cachoeira Itinguçú
Cachoeira 2 (?)
0,45
Centro de Muriqui
Cachoeira Véu das Noivas
1,79
Cachoeira Véu das Noivas
Cachoeirinha II
2,09
Praia Grande
Prainha I + Prainha II
0,7
Prainha II
Volta
0,6

Obs: os desníveis são irrelevantes para essas trilhas.


Dicas
  • As cachoeiras de Muriqui são melhores que as cachoeiras de Itacuruçá.
  • Próximo a Itacuruçá existem 2 (ou 3) cachoeiras, mas 1 delas está em péssimas condições devido a *macumba* que é feita no local.
  • Combine o preço e o horário do traslado para a ilha Jaguanum 1 dia antes do seu passeio. É mais garantido.
  • Pergunte o preço do taxi-boat para Praia Grande no centro de turismo em Itacuruçá, pra ficar interado do preço justo.


Relato e Fotos
Eu fiz roteiro picado em vários dias, porque conheci a cachoeira e as ilhas em dias de semana (estava nessas cidades a trabalho). No primeiro dia, acordei cedo pra ir direto pras cachoeiras de Itacuruçá.

As raras informações que tinha obtive com os nativos da região. No centro de turismo me informaram que não havia cachoeiras em Itacuruçá (talvez eles nao divulguem porque de fato elas não são muito visitáveis). Alguns nativos também disseram que não existiam cachoeiras na região.

Rua saindo da cidade de Itacuruçá, em direção a Rodovia
From Itacuruçá + Muriqui (Mangaratiba)
Achei estranho, porque desde a cidade, dá pra ver as cachoeiras na montanha.
Visão para as montanhas. Dá pra ver a cachoeira lá tras
A que se vê é a 2 ou a 3
From Itacuruçá + Muriqui (Mangaratiba)





Eu tomei um café reforçado e fui em direção a rodovia Rio Santos, andando mesmo. Passei pelo viaduto e segui. A caminhada pelo viaduto não é agradável e há de se alertar que esse passeio tem um certo risco, por se tratar de uma rodovia. Por isso não dá pra considerar que se trata de uma trilha.


Desejei que a cachoeira chegasse rapidamente, pois o passeio não estava legal. Cheguei até o trevo, cruzei a rodovia e comecei a seguir em direção a queda Itinguçú.

A queda de longe é  bonita e só isso continuou me incentivando a continuar o passeio. Entrei em um pequeno condomínio (que ainda está em construção) e fui em direção a queda. Fiquei meio sem saber se era permitido continuar, mas como ninguem me abordou, presumi que estava ok.


O caminho continua por uma via da Petrobrás por ali.


Já no começo dessa via percebi varias cumbucas de barro jogadas ao chão. Achei um pouco estranho e a medida que ia me aproximando da cachoeira esses cumbucos iam aumentando.


Quando cheguei próximo ao leito do rio percebi algumas tendas e vários objetos sobre as tendas. Eram objetos dos mais variados tipos! Velas (muitas) , santos, santas, chapéus, bonecas, laços, correntes, panos, roupas de crianças, bolas, pratos, vinhos baratos (muitos!), incensos, cartas escritas a mão e tudo o que você imaginar. Pense em um objeto qualquer e com certeza ele estava lá!
Carta de Macumba - essa estava novinha
From Itacuruçá + Muriqui (Mangaratiba)

Preguiça de tirar fotos de sujeira - aí um pedacinho
Jesus, barris, cremes, panos, folhas etc
From Itacuruçá + Muriqui (Mangaratiba)



Se pelo menos tudo estivesse concentrado em um único ponto, mas não. Estava tudo jogado, espalhado, sujo, velho, mofado, muitos objetos dentro do rio, e muitos ao redor, em todas as pedras possíveis, um terror! Senti muita dó e uma dor no coração, como é ruim ver uma bela cachoeira mal tratada!


Tudo aquilo era objeto de macumba, bem tinha me dito um nativo que usavam a cachoeira para macumba, e que a prefeitura até tentava limpar os arredores, mas pelo visto, sem sucesso!

Eu, meio com repulsa àquele lugar, ainda tentei passar ao outro lado do rio, pois só assim daria para chegar até a queda. 

Consegui com alguma dificuldade. No momento em que passei ao outro lado, alguns metros a frente havia um senhor com sua mulher e 2 filhos , vestidos de branco, todos ajoelhados murmurando alguma coisa!

Atravessando o rio sujo
Lá trás a 1a. das quedas, que vislumbrei chegar
From Itacuruçá + Muriqui (Mangaratiba)


Obviamente eu nem cheguei perto, dei meia volta e me fui, pois eles tapavam a passagem que poderia me levar para a queda! Pelo jeito, as macumbas iam de vento em popa por ali.

Voltei pelo caminho sujo que vim, triste e desamparado. 

A questão é que talvez haja uma cachoeira agradável mais para cima. São varias quedas em sequência, e talvez alguma delas ofereça um poço legal, mas eu não consegui ver.




NomeCachoeira Itinguçú
Altura?
É possível alcançar a quedaProvavelmente sim
TipoVárias quedas em sequência
Nota (0 a 5)1



Um pouquinho mais perto e aqui foi meu fim da linha - Pena!
From Itacuruçá + Muriqui (Mangaratiba)


Foi sem sombra de dúvida a Caça a uma cachoeira mais triste do meu currículo de caçador! hehehe,. Uma pena!


Na volta, passei por outro lugar, uma trilha mesmo de volta a rodovia. E por todo o rio havia DEZENAS de tendas destinadas à macumba (muito mais que na parte de cima do leito).

As tendas eram numeradas, logo percebia-se que aquilo era um comércio de macumba. Passei por mais uma família que cantava alguma coisa na Tenda numero 7, com certeza estavam no meio de um ritual. No meio do cantarolar 2 gatos pretos e uma galinha preta vinham correndo em minha direção, hei de confessar que levei um leve susto pensando “mas que diabos??” só depois percebi que tais animais estavam seguindo o cantarolar da mulher trajada de branco, gorda, parecendo uma bahiana que dizia coisas ininteligíveis ao lado de outra mulher (que parecia ser a cliente). O marido (aparentemente) se encontrava mais afastado, quase na trilha no que parecia pensar algo parecido a mim: “mas que diabos eu estou fazendo aqui?”



Eu sai daquele local, admito, com nojo, não pelo ritual em si, mas pela sujeira, descuido, descaso e má-educação que os macumbeiros dali tem pra/com a natureza, algo que eu pude constatar categoricamente com minha visita.


Cachoeira do Meio (?) + Cachoeira Véu da Noiva

Depois da decepção completa com a Cachoeira Itinguçú - e não por culpa da natureza, mas unicamente humana! - tentei salvar o passeio me dirigindo para a próxima cachoeira, que era visível desde o ponto onde eu estava.


Bastava seguir pela rodovia, do lado esquerdo (sentido Rio) para chegar a próxima. Uma senhora simpatica estava vindo no contra-fluxo e consegui confirmar com ela que a próxima cachoeira tinha um poço legal e que as pessoas ali perto costumavam nadar nela.


Segundo ela era só seguir reto e depois virar a esquerda.


Eu segui mais alguns metros até encontrar a Cidade Fantasma de Albanoel.

A príncipio a cidade parecia simpática, as casinhas novas e simpaticas. Porém, “fenos” passavam por esse local. Sozinho, a gente pensa duas vezes antes de entrar em algum lugar, temendo algum risco. Ainda mais ali, no meio da rodovia, solitário.


Eu decidi encarar e começar a entrar na tal cidade, para passar pela passarela que ali havia pra depois chegar aos pés da montanha, onde mais ou menos eu presumia que seria a entrada para a cachoeira.

Andando e dando uma estudada nas casas eu percebi que as casas, apesar de abandonadas, estavam abertas, e havia objetos la dentro. Logo 1 cão começou a latir, e um segundo. Em alguns segundos apenas, todas as casas tinham pelo menos 1 cão e todos estavam latindo para mim, como se eu fosse invasor.


Me senti novamente completamente intimidado. Eu já estava com a moral muito baixa depois do fiasco da primeira cachoeira e não consegui encarar todos aqueles cães latindo. Eu sei lá se eles poderiam me atacar também.


A cena foi meio grotesca, hehe, eu no meio da rodovia, sozinho, suando, sol a pino, numa cidade abandonada com cerca de 10 cães latindo pra mim. Foi só o suficiente pra eu aceitar que o passeio não tinha sido lá essas coisas e voltar para casa (hotel!)


Eu estava bem cansado, pois o sol estava a pino, a caminhada era até razoável e pior, não havia atrativos agradáveis. Voltei sem saber se depois da cachoeira Itinguçú existiriam 1 ou 2 cachoeiras. 

Eu tinha impressão que era apenas 1 mesmo, mas após ver o track do meu gps sobre o Google Earth, deu a entender que de duas uma: ou existiam mais 2 mesmo, ou eu errei muito na minha suposicão de onde deveria entrar para ver a segunda cachoeira. De todo modo, pelo menos mais uma existe, e parece ser melhor do que a Itinguçú, pois possui poço e é nadável, segunda a velhinha simpática que foi no contra fluxo.


Cachoeiras de Muriqui

No outro dia, acordei cedo novamente para ir em direção a Muriqui. Tinah certeza que o passeio ia ser obrigatoriamente melhor do que o passeio em Itacuruçá por 2 razões - seria dificil ser pior segundo porque as cachoeiras de Muriqui são citadas como atrativos por quase todos os nativos : não poderiam estar todos errados.


Consegui pegar uma van tranquilamente para Muriqui (demorou 20 minutos pra passar). Como era feriado, a van pegou a estrada velha (era feriado, e o trânsito estava intenso na Rio Santos) Em apenas 10 minutos já estava no centro de Muriqui.


A van me deixou no centro. Eu aproveitei pra conhecer a praia de Muriqui que acabou me agradando. É bonita, tem um calçadão legal e várias barraquinhas.  Nao fiquei muito tempo, porque diferentemente de Itacuruçá, dado que havia o traslado de ida e volta, eu tinha muito pouco tempo a perder.

Praia de Muriqui - arrumada
From Itacuruçá + Muriqui (Mangaratiba)
Perguntei logo numa banca como se chegava as cachoeiras e quais valiam a pena, e ela me indicou a Véu das Noivas, que era a mais legal. Deu as direções e eu segui.


Era só ir até a Rio Santos e pegar para a esquerda (direção Mangaratiba). A entrada para a cachoeira fica na saída de Muriqui.


Do outro lado da Rio Santos, ficam bairros mais humildes e eu confesso que fiquei um pouco receoso de entrar ali sozinho. Mais uma vez, só muito amor a uma cachoeira mesmo pra entrar com a carteira, cartões de credito, identidade, minha câmera de quase R$2000,00 meu GPS de R$900,00 e minha mochila. Havia alguns pivetes por ali, eu fiquei rodando, sondando , olhando se eles me olhavam - queria saber se eu era alvo.


Como percebi que não, acabei adentrando o Bairro chamado Cachoeirinha.

Eu fiquei tenso, porque não sabia muito bem pra onde ir e ao mesmo tempo temia perguntar pra alguém, porque com uma dessas poderia virar alvo! ("Lá vai o turista perdido cheio da grana!") Uma pessoa me manda pra um beco sem saída, uma vez que eu estava num morro com favelas! E voila! Ganham alguns mil reais roubando minhas coisas!


Então tive que ser forte, parecer decidido sabendo aonde estava indo. Comecei a subir um morro beem ingreme até que cheguei num ponto que não parecia ser por ali. Eu tinha que perguntar.

Tinha um cara trabalhando por ali, ele estava sozinho, com um carrinho de mão. Eu pensei: se ele está trabalhando, é pouco provável que queira roubar! Perguntei: O cara respondeu amigavelmente “la pra baixo!”


Eu tinha subido demais pela lateral errada. Então desci umas escadas com muitos degraus e continuei pelo caminho correto. Sinta-se na Rocinha andando por aqueles becos, ruas pequenas, escadas com degraus descompassados.


Foi uma das cachoeiras mais estranhas que já visitei, porque fica ao lado de favelas. Foi uma experiência diferente! Depois de um pouquinho andar (trilha bem pequena) cheguei e vi um pequeno poço com uma pequena queda de 1 metro.

Queda da recepção - do lado da favela
From Itacuruçá + Muriqui (Mangaratiba)
Fiquei decepcionado... não acreditei que era apenas aquilo, mas... meio que aceitei aquela realidade. Por desencargo, eu comecei a subir as pedras, pelo leito do rio, só pra ver se encontrava algo perto por lá.


Valeu a pena sim, porque a cachoeira, claro, não era aquela de 1 metro, mas sim uma um pouco adiante, foi quando encontrei esta, que estava deserta! (a de baixo estava cheia, pois era feriado. Farofada total :o) )



NomeCachoeira Véu das Noivas
Altura4 + 9 metros
É possível alcançar a quedaSim
TipoQueda livre sobre pedras
Nota (0 a 5)3
A Cachoeira Véu das Noivas é a melhor da região. Possui duas quedas em sequência (a da foto a seguir é a ultima (mais pra cima), sendo a mais alta também, porém, o poço se forma apenas na segunda (mais abaixo). Não é possível chegar debaixo dela exatamente, pois essa parte de cima é inclinada e muito molhada, tornando pergoso ficar debaixo dela. Ela é bem escondida sobre a vegetação da montanha.
Cachoeira Véu das Noivas
From Itacuruçá + Muriqui (Mangaratiba)


Detalhe da queda
From Itacuruçá + Muriqui (Mangaratiba)

Fiquei um tempinho ali, mas logo ja voltei, em direção a segunda cachoeira. Achei legal o fato das casas estarem ao lado da cachoeira . Favelas + cachoeira, só no rio! (legal d+). E apesar de humildes, a água estava incrivelmente limpa (palmas para a comunidade)

Quase embaixo dela
From Itacuruçá + Muriqui (Mangaratiba)


Na foto a seguir, tirada de cima, dá pra ver o poço la embaixo.

Dimensões (C x L x P)3 x 6 x 0,5 m
SoloArenoso
NadabilidadeBaixa
PulabilidadeBaixa


Do segundo andar - lá embaixo o poço
From Itacuruçá + Muriqui (Mangaratiba)



Dois andares da queda - la de cima não tem poço
From Itacuruçá + Muriqui (Mangaratiba)

Voltei para a Rio Santos mais tranquilo, vi que apesar do bairro humilde tudo era de boa por ali. Não vi nenhum problema.


Segui pela Rio Santos  sentido Rio, pois sabia que a outra cachoeira ficava no outro extremo de Muriqui.


Andei sem problemas até o outro extremo. Não sabia muito bem onde virar mas um senhor que andava por ali me indicou corretamente onde entrar. Depois do campinho de futebol (que fica do lado direito da rodovia, sentido rio) você anda mais um pouquinho e avista uma porteira da Petrobrás (tem muita porteira da Petrobrás por ali viu..!)


Mas a porteira tem passagem para pessoas, e fica aberto (é permitido entrar).

Você deve subir cerca de 100m (subida íngreme), passa por algumas casas ali no morro (não chega a ser um bairro como a outra cachoeira) e então acaba avistando a cachoeira desde aí. Para chegar a ela, no entanto, deve-se virar a direita, logo que avista-se a queda. (tem uma trilhazinha singela para a direita).


Desça ela até encontrar o leito do rio e então siga até a queda.


NomeCachoeirinha
Altura12m
É possível alcançar a quedaSim
TipoQueda livre de 2 andares
Nota (0 a 5)2,5
Ficabilidade no LocalBaixa
Cachoeirinha II
From Itacuruçá + Muriqui (Mangaratiba)


A Cachoeirinha II é pequena e não oferece uma boa ficabilidade por ali. Não tem lugar pra se ficar e nem tem um poço para curtir.


Cachoeirinha II
From Itacuruçá + Muriqui (Mangaratiba)



Foi o que fiz. Dentro dos planos e tudo ok, voltei para Itacuruçá pra meu merecido descanso.


O passeio de Muriqui foi bem melhor do que o passeio em Itacuruçá com toda certeza. A Cachoeira Véu das Noivas é visitável e razoável - dá até pra nadar um pouquinho. Já a segunda cachoeira, que é mais provável que se chame Cachoeirinha || é apenas para fissurados em cachoeiras, que tem obrigação de visitá-la só de saber que ela existe. Mas ela não oferece poço legal nem local para ficar.



Dia 2 e Dia 3 - Praia Grande e Jaguanum
No segundo dia do roteiro sugerido peguei um taxi boat para Praia Grande, seguem algumas fotos de lá.


[em breve]


Na Praia Grande dá pra fazer uma trilha básica. Começa pelo lado esquerdo da praia (de quem está olhando para o mar). A trilha começa subindo mas logo desce para a praia próxima dali. Novamente, dá pra continuar a trilha para uma terceira praia que é maior do que a segunda (e menor que a Praia Grande). Antes de chegar na terceira praia você vê uma igrejinha no meio do caminho, já abandonada.

Igrejinha - na Praia Grande
From Itacuruçá + Muriqui (Mangaratiba)


Nessa terceira praia vi pessoas acampando atrás da praia (mas não sei se é permitido). A praia é bem tranquila. Você pode continuar andando por uma trilha maior, que leva até um bar abandonado, já quase no meio do mato.



Bar Abandonado
From Itacuruçá + Muriqui (Mangaratiba)

Infelizmente a trilha não continua mais adentro, a menos que você esteja equipado e preparado pra muito mato.


A Praia Grande não é uma super praia, mas é legal e bonita. Recomendamos que você acompanhe o por do sol, que é sensacional nessa praia!

Ilha Jaguanum

Combinamos na hora com um taxi-boat de ir para Jaguanum. Tivemos que barganhar um pouco e evidenciar a concorrëncia entre 2 deles pra que abaixassem o preço, até conseguirmos fazer o passeio por R$100,00. O cara que nos levou era muito gente boa. O caminho até a ilha foi um pouco conturbado (muitas ondas!) mas divertido! chegamos molhados lá depois de cerca de 30 a 40 minutos na lanchinha até a ilha (é longe)!


O “motorista” nos levou até 4 praias da ilha : Calhaus, Cruzeiro, Estopa e Pitombeiras, mas descemos em apenas duas: na Calhaus (onde ele mora) e na Pitombeiras, que é a mais famosa.

Acho que a Pitombeiras é mais famosa porque tem um restaurante grande a beira mar e é bem deserta, a ilha. Mas achamos que a mais legal, pelo menos de vista, é a Cruzeiro, que é igualmente deserta e um pouco maior.


Próximo a ilha Jaguanum há a Ilha dos Gatos (marcada no mapa também). Quando estiver passando, peça para o taxi passar pertinho dela e devagar. Você vai ver muitos gatos lá!!! O nome não é a toa ;). Eles comandam.



Passamos belas tardes nessas duas ilhas, e recomendamos o passeio ;)


Depois desses dias eu passei um fim de semana numa tal Ilha, fica pertinho dali, famosa e misteriosa... já sabe qual é? Vem no próximo post.


4 comentários:

Anônimo disse...

Cara, você não sabe o quanto me ajudou.
Eu tava procurando umas praias novas pra conhecer, acabei caindo nesse blog e encontrei mais informação do que em todos os outros sites juntos!
Informação útil! É isso aí, já sei onde procurar aventura na próxima vez ;)
Valeu, continue nos ajudando.
Gisele

Anônimo disse...

show. Muitas informações; amei

Diego Bigliani Solamito disse...

Opa, Gisele e Anonimo!

Esse é um dos posts mais enigmáticos do blog. Trata-se de alguns atrativos muito poucos falados pela net. (é claro, nem todos são 5 estrelas, mas estão por aí escondidos).


ABraço e bom passeio!

Valber Lima disse...

Você foi totalmente excelente em seus comentários. Assim como o anônimo, eu tbm estava procurando novas praias na Costa Verde (moro no Rio mesmo, e não curto as praias da Zona Sul nem da Barra, exceto a Reserva, que tem um publico mais seleto por não ter acesso a ônibus, assim como a belíssima e amada Camboinhas em Niterói) e só conhecia a Praia Grande, em Muriqui. Parabéns pelo blog!